Capítulo 7 | Trilhas do coração |

Depois de tanto tempo, tantos anos e tantos acontecimentos, aquilo era muito surreal.
Não me parecia estar acontecendo e de verdade, era coisa de destino que por um acaso fôssemos o s dois parar ali.
Eu não sabia a maior parte do tempo o que dizer, então só ficava sentada ao lado de Piter, segurando em sua mão.

Quando então ele desce da UTI para o quarto, muito melhor do que estava, o Sr. Heller entra com a esposa e com uma mulher do lado.
Me pergunta se eu ainda estava ali, lhe respondo, “Sempre.”
A mulher me entreolha e eu olho de volta para ela.
E somos então apresentadas.

“Esta é a minha noiva Danielle.
Aliás minha ex-noiva né Dani”, Fala Winston.
Momentos antes de ele ser baleado, os dois tiveram uma discussão, e o relacionamento havia acabado.
Winston já não usava mais a aliança no dedo, mas Danielle não tinha ainda tirado a sua.
Seu pai, fica impressionado quando escuta isso.
Danielle não era o tipo de mulher que se abandonava, e ainda que Winston dissesse que ali não era para conversarem isso, o pai queria insistir.
Por que, por que, só esperava que não fosse por causa.
Antes que ele prosseguisse, então foi interrompido pelo filho.

“Pai eu me transformei num grande xadrista, como era o sonho do meu vô e o seu.
Eu fiz tudo como queriam que eu fizesse e até aceitei uma faculdade infeliz, para satisfazê-los no escritório.
Agora por favor, me deixa em paz e me deixa viver a minha vida.
Eu não quero falar sobre o que aconteceu entre mim e Danielle, porque isso não desrespeito a vocês, só a nós.
Agora me deixe, saíam todos, todos!”
Grita Winston e a porta do quarto se abre, Piter aparece.
Danielle saí de cabeça baixa, Heller marchando soltando fogo pelas ventas.
Eu rumo em direção a porta, mas Winston me chama.
“Todos menos você, você fica.
Se puder.”

Me sento ali de novo, e Winston então quer agora me contar um pouco do que houve com ele, nesses 15 anos.
Era preciso que eu compreendesse, o que aconteceu e o que ele pensou, para que pudesse digerir agora o que lhe contara.
Antes, eu pego o celular e mostro a ele uma foto.
“Este aqui, é o nosso filho Winston.
Ele tem seus olhos, e seu gênio decidido e independente.
É generoso, carinhoso, se chama Wesley.”
Algumas lágrimas escapam aos olhos de Winston Heller, ao conhecer por foto seu primogênito.
Ao saber que de nossa noite inicial, um fruto surgira, e saber porque todos esses anos depois, tive que manter isso em sigilo.
Mas então eu me sento, e agora é a sua vez de falar.

“Por dias a procurei no clube de xadrez, nem um sinal.
Perguntei para meu tio, sempre desconversou.
Perguntava para as moças da cantina, só diziam que teve que ir embora.
Ninguém falava, como se tivessem proibidos de falar.
Procurei o Presidente do clube, e disse a ele que queria saber sobre você.
Ele apenas me disse, que tinha sido desligada da empresa e que foi fazer carreira em outra cidade.
Era tão estranho que fosse assim, cheguei a comentar com um amigo, como ela poderia ter sumido sem dar uma satisfação.
Comecei a ligar no seu celular, mas sempre em caixa postal.
Não te achava mais nas redes sociais, era como se tivesse sido abduzida.
Ou que não quisesse ser encontrada por mim.

Por isso, parei de te procurar umas duas semanas.
Mas, sempre no meio da noite sem sono, me pegava a perguntar onde estaria.
Quando as provas e a faculdade chegaram ao fim, que eu queria contar a alguém que me formei, lembrei-me de você.
Cheguei a procura-la de novo nas redes, e de novo sem sucesso.
Cheguei a pensar que estivesse morta.

Falei com meu tio de novo que ficou muito doente, se ele tinha certeza que nada sabia de ti.
Mas ele me disse que o que soube no clube, era que tinha ido embora.
Só isso muito genérico.
Sem ter ideia das ameaças, dos motivos, de como Tony te tratou.
Ele não é assim, mas ele se transforma quando o assunto são os negócios.
E a Danielle para ele é isso, uma oportunidade de negócios.
Os pais dela são grandes clientes do escritório, e se ficam lá, e nós nos casamos, as duas empresas podem fazer uma fusão milionária no futuro.
É assim que ele olha para tudo, uma transação financeira.
Por isso quis te dar dinheiro, na noite que contou.”

Lágrimas escorrem de meus olhos, como eu queria ter o encontrado 15 anos antes.
Como eu queria ter lhe dito que estava grávida, e tudo que estava acontecendo.
Não pude.
Fui covarde demais e deixei o medo avançar sobre mim.
Mais medo de algo ocorrer com você, do que comigo.
As vezes nos calamos para proteger quem se ama, e nesse processo acabamos magoando também.

A fisioterapeuta entra no quarto, começam as sessões para que Winston volte a caminhar.
Ele levanta firme, e então segura em minha mão.
Mas percebo que há algo errado no seu mudar de passos, não no peito, onde foi operado, mas era outra coisa.
De repente, Winston fica pálido e caí desmaiado no chão.
É chamado equipe de socorro, Piter vem a nosso encontro, Dra. Melissa chega.
São solicitados exames e enquanto todos tentam descobrir o que aconteceu, eu e Heller de novo outra vez frente a frente.

“Só quero lhe dizer que se prepare.
Se algo acontecer ao meu filho, você será processada.
Já contei a noiva dele tudo sobre você e o tipinho que é.
Tenho certeza de que Danielle não vai permitir que o meu filho, fique com uma qualquer, que saí abrindo as pernas para qualquer um, pegando barriga, e depois tem a petulância de dizer que é meu neto.”