Capítulo 2 | Reflexos do Luar |

Inocente, procurei Andreia no Whatsapp para conversar.
E eu disse a ela que eu tinha muita vontade em mudar de cidade, em ir para a capital.
Para que eu pudesse trabalhar na gerência de lá.
Eu disse que não soube das inscrições, porque se soubesse teria me inscrito para a vaga.
E perguntei a ela, ques dicas ela poderia me dar para que eu me preparasse para o futuro.

Andreia me disse que ela ficou sabendo das inscrições, porque o marido dela a falou.
Ele era o Gerente Estadual da marca.
Eu achei aquilo um tanto quanto estranho a primeiro momento, porque para mim, o meu namorado, Pablo, era quem tinha esse cargo.
Pelo menos era o que ele sempre me dizia.
Eu então a perguntei, quantos gerentes tinham no estado, e ela me disse que um gerente e uma sub.
Eram o marido dela Pablo, e a Leticia.

Quando eu escutei aquilo eu tive um choque, parece que eu tinha posto o dedo na tomada e senti a maior pontada de todas.
O choque foi tamanho, que eu caí para trás sentada.
Eu não acreditava que o marido dela pudesse se chamar Pablo, ser o meu Pablo.
Como era possível, namorávamos desde os tempos da escola, ele saiu para ir para a capital, e sempre me dizia que estava planejando a nossa vida lá.
Não dava para acreditar, mas eu tinha que tirar a historia a limpo.

Então, eu arrumo minhas coisas e eu conto para minha mãe, que ia fazer uma entrevista de emprego na capital.
Eu viajo com o coração na mão, frio na barriga, dores por todo meu corpo, e uma sensação que nada cessava.
Medo, insegurança, eu estava cada vez mais perto da verdade.

Na capital, eu vou ao endereço que o Pablo me deu, sempre nos correspondíamos e enviava coisas pra ele no endereço.
As vezes que me enviava algo, também vinham de lá.
Chego no prédio e falo com o porteiro, e ele me fala que Pablo não aparecia há meses.
Que ele só vinha buscar correspondências as vezes, e que o apartamento que ele morava, até já estava alugado.
Não posso acreditar naquilo, e pergunto para o porteiro se ele então teria seu endereço.
Ele pergunta o que eu era dele, e eu falo, era sua namorada.
O porteiro parece desconsertado, e me diz que talvez estivéssemos falando de Pablos diferentes.
O Pablo que ele conhecia e me falava, se mudou há 2 anos para a capital, e 6 meses depois se casou.
1 ano mais tarde se mudou com a esposa, Andreia, para uma casa, depois que a filha deles nasceu.
Eu me surpreendo, filha, uma filha, impossível de acreditar.
Mostro uma foto, e confirmo.
O Pablo que ele falava era sim o mesmo que eu estava falando.
Consigo o endereço de Pablo, e vou para a sua casa.
E eu bato na porta e então, a empregada atende.
Pergunto por Pablo, e ela me diz que ele não estava, eu pergunto quando poderia falar com ele, e ela diz que não sabe.
Andreia, vai na janela da sala e me reconhece, me chama para entrar.
Eu cruzo o portão dentro, e conheço Alice, a filha do casal.
Na sala, fotos por todos os lados e uma família feliz.
Não podia acreditar.
A minha dor e meu desespero estavam mais fortes.
Andreia me perguntou o que eu estava fazendo ali, e como tinha achado sua casa.
Eu então conto a verdade para ela.
Eu e Pablo namoramos na escola, e ele mudou da cidade dizendo que iria construir uma vida para nós na capital.
Todos esses anos, eu achando que ele estava preparando tudo para nosso casamento, mas ele já estava casado com outra, e com uma filha.
Que decepção, começo a chorar.

Pablo chega em casa, congela parado na porta quando me vê.
Andreia fala para ele que eu estava dizendo que tinha um relacionamento com ele, há anos.
Pablo diz que não era verdade, que se quer me conhecia.
Eu fico incrédula de que ele estava fazendo aquilo, e para provar, mostro as fotos.
Ele diz que aquilo tudo era montagem e joga o meu celular no chão, o quebrando.
Me expulsa de sua casa e fala que vadia nem uma ia destruir a sua família.
E eu, fico destruída, atirada na calçada sem saber o que fazer ou como reagir.