Levantamento especial – Invisuais são deficientes que mais perderam renda na pandemia do Coronavírus

Por Kromnws Vision
09/10/2021

Você pode até não saber, mas esse dado é muito importante de se compartilhar.
Com certeza conhecemos alguém que foi afetado pela Covid-19.
Alguém que morreu com a doença, ou acabou acometido por ela.
Mas o afete da Covid, foi muito além da contaminação.
Muita gente teve que deixar de trabalhar por causa da doença, e não pôde retomar a posteore.
Inúmeras empresas fecharam suas portas ou demitiram funcionários, com o relaxamento de fiscalizações.
Especialmente aqueles deficientes, que estavam nas empresas para cumprir cota.

Um projeto de lei do governo federal, retira obrigatoriedade das cotas dentro das empresas, na condução da pandemia da Covid-19.
Em outras palavras, se as empresas estão tendo prejuízo, não precisam cumprir a lei.
Típico do Brasil fazer, já que em nem um outro lugar do planeta, tal absurdo aconteceu.
Aqui, como tudo pode, foi feito dessa forma.
Muitos deficientes perderam seus empregos, alguns em cargos que haviam começado meses antes, outros que já tinham um certo tempo de casa.
O fato é, que o número de deficientes desempregados cresceu no Brasil.
Os pedidos de LOAS para deficientes praticamente triplicaram no INSS.
E é claro, o número de negativas para o benefício também.

Sem saída, muitos desses deficientes precisaram se reinventar.
Alguns, saem para as ruas com diversas coisas para vender.
Bombom, brigadeiro, doces, roupas, o que der para ser vendido eles topam.
Deficientes visuais são, o público que mais perdeu renda nessa pandemia da Covid-19.
Eles foram os primeiros deficientes a serem desligados, em cortes de gastos das empresas no Brasil.
E sem precisar de cumprir a lei de cotas, as empresas grandes pararam de fazer grandes contratações.
É o típico, se o menor não contrata eu também não preciso contratar.
O que dificulta a vida das pessoas, que tem família para sustentar.

Com base em cadastros federais, em pedidos do INSS e o senso do IBGE sobre emprego no Brasil, a Kromnws Vision realizou um levantamento.
Que mostra um dado alarmante.
De cada 10 deficientes demitidos no Brasil, 7 eram deficientes visuais.
Um número assustador e que colocou, mais de 30 mil desempregados nas ruas, nesses últimos 18 meses.

Boa parte desses invisuais tiveram que se reinventar, como dito antes.
E buscar alternativas que muitas das vezes, não são ideais, mas os impedem de passar fome.
Andar nas ruas com uma caixa de som e uma mala, fazendo propaganda de lojas e empresas, é uma saída para muitos deles.
Não é incomum, vermos em São Paulo ou Franca, deficientes visuais praticando esse trabalho.
Eles andam cerca de 4 horas por dia, e cobram uma média de 30 a R$ 50,00 por loja ou empresa que feche um anúncio.
Mas eles tem gastos.
Com o equipamento e a gravação, no final sobra pouco mas o que eles tem.

Não há no governo federal nem nos governos estaduais, nem uma política que esteja atualmente voltada para atender especificamente deficientes visuais.
Por outro lado, a maior parte das entidades que atendem essas pessoas, pouco fazem para ajuda-los a ter uma melhor qualificação ou recolocação no mercado de trabalho.
O que deveria ser um benefício, se transforma em ônus.

Reportagem de Vanessa Rezende e Larissa Scherer