Já pensou em ter uma empresa formada por maioria deficiente visual? Criação da Onor e G7 será assim

Por Kromnws Vision
09/10/2021

Deficientes visuais que leem esta reportagem e que querem uma oportunidade de trabalhar, precisam ficar atentos.
O Brasil terá um dos maiores programas de contratações do setor, em breve.
O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 7 de outubro, pelo também deficiente visual Guilherme Kalel.
Presidente do Grupo G7 Orcon, e Presidente Interino da Onor Empire, Guilherme anunciou que as duas marcas juntas, farão uma parceria para a criação de uma empresa de
tecnologia.
A maior parte dos funcionários da nova marca, que receberá o nome Vicon, será de deficientes visuais.

Serão englobados dentro da empresa, invisuais totais e de baixa visão, que não estejam aposentados por invalidez.
E que portanto são aptos ao trabalho.

Cada deficiente visual desses, será contratado em regime especial, terá um salário e recolherá INSS.
Garantindo que, no futuro possam ter todos os direitos que um trabalhador assalariado.
A Vicon nasce com o propósito de levar mais tecnologia a vida das pessoas.
E por isso, suas contratações na maior parte, deverão ser Online, em regime Home Office, destacou o Jornalista.

Guilherme disse, que também serão abertas vagas nas áreas de programador / desenvolvedor de novas tecnologias.
Entre outros cargos que melhor serão detalhados nos próximos dias.
Os detalhes do programa serão apresentados nas próximas semanas, em conjunto, pelo G7 e pela Onor.
Que irão dividir o comando da marca Vicon.
Juntas, as duas empresas deverão ter 60% da nova criação.

Uma das condições para criar a nova marca, impostas por Kalel, foi aplicar recursos para a contratação de deficientes visuais.
Um público que perdeu muito na pandemia da Covid-19.
De cada 10 deficientes demitidos durante a crise do Coronavírus, 7 eram deficientes visuais, aponta um levantamento feito pela Revista Kromnws Vision.
Uma clara mostra do quanto esse grupo de deficientes, é discriminado.
Um grupo que não tem uma clara representatividade política como deveria, nem no Congresso nem nos governos ou assembleias legislativas, explica Kalel.
“Existe uma lei de cotas mas que não é cumprida como deveria.
Hoje, se a pessoa é monocular, ela é considerada deficiente, e preenche a lei de cotas.
Mas Monocular, não pode ser considerado deficiente visual, isso é retrocesso e absurdo”, ponderou.

Para tentar ajudar um pouco dessas pessoas, o Jornalista criou esse programa de contratação, dentro da nova Vicon.
Mas não deve parar por aí.
O Jornalista pretende abrir outros programas de contratações, tanto no G7 quanto na própria Onor.
E conta com respaldo da diretoria da Marca para isso.

Reportagem de Vanessa Rezende e Mariana Novacki