Falta de Orçamento suspende produção de medicamentos para tratamento e diagnóstico de câncer

Por Revista Kromnws – 22/09/2021

O Brasil não bastasse os problemas que tem de enfrentar, agora precisa encarar mais um, e que é de origem grave.
A falta de medicação para tratamentos de radioterapia, e diagnósticos por intermédio de medicina nuclear para tratamentos de câncer.
O Ministério da Saúde, deixou de repassar valores que são responsáveis por fazer a produção desses medicamentos andarem.
Pelo menos 3 tipos diferentes de radiofármacos deixaram de ser produzidos nas últimas duas semanas no Brasil.
Um outro medicamento, teve sua última remeça entregue pela fabricante ao governo federal, na semana passada.

Faltam nesse instante, recursos para viabilizar a compra de matéria prima, para as medicações.
E há dificuldade em se encontrar o material necessário para se produzir os medicamentos por conta de uma crise no abastecimento.

O problema veio a tona agora, porque as fabricantes não conseguem mais atender ao governo, e deixarão as pessoas sem o medicamento.
1,5 milhões de pacientes oncológicos serão afetados no Brasil.
Mas o conhecimento do Ministério da Saúde da causa, vem de longa data.
Desde julho do ano passado, o Ministério vem recebendo ofícios que indicam o risco de ficar sem o abastecimento da medicação.
Cópias desses ofícios foram obtidas com exclusividade pela revista Kromnws.

O Ministério foi alertado em julho de 2020, novembro de 2020, janeiro de 2021, abril de 2021 e junho.
Em nem uma das ocasiões, nada foi feito para tentar sanar o problema.
E o pior ainda está por vir, se é que existe algo pior.

Esse não é o único medicamento que o Ministério vai deixar parar a produção, por falta de recursos e de matéria prima.
Outros medicamentos que são usados para tratamentos de outros problemas de saúde, estão ou podem entrar, em falta nas próximas semanas.
Diversas doenças estão na UTI com um estoque baixo e um recurso a quase zero, do Ministério.
O corte de gastos em outras áreas essenciais da saúde, são justificados pela pandemia da Covid-19.
O Ministério alega que teve que fazer investimentos fora de seu Orçamento na pandemia, e com isso faltou recursos para outras áreas ditas essenciais.
Mas o Ministério nega, que soubesse desde o ano passado do problema dos remédios contra o câncer que agora acabaram.
Mesmo diante das cópias dos ofícios, o Ministério da Saúde diz que isso não representa a inteira verdade dos fatos, como surgiram.
Uma tática comum do governo Bolsonaro, dizer a imprensa que a informação que se tem, não é a verdadeira.
Quando eles é que não passam a verdade para a população.