Capítulo 1 | 2ª temporada | The Journalist |

2 meses se passam desde as cenas narradas no livro anterior.
Piter Sauros voltou para casa em Oglopogos, e usou dos recursos deixados por Yago Castelamare, para que criasse sua revista.
A festa de inauguração seria naquela noite e tudo tinha que dar certo.
A revista era produzida por 8 jornalistas contratados a dedo por Piter.
Nem um deles conhecia a verdadeira origem dos financiamentos da revista, e Piter quis que fosse assim.
Elize, o assessorava na parte financeira da empresa, já que ela era excelente com contas.
Por baixo dos panos, as escondidas, ela assumiu a máfia no lugar do irmão.
Enquanto Bruno se recuperava no hospital em Londres a cada dia mais.
Abria os olhos, murmurava algumas palavras, mas ninguém ia o visitar.

Cecília e os filhos tentavam refazer a vida em Oglopogos, vivendo com nomes diferentes agora para que não fossem reconhecidos.
E Yago, desapareceu.
Ninguém mais soube dele, nem mesmo a irmã, não havia como encontra-lo se ele não quisesse ser encontrado.

Naquela noite tudo tinha que ser perfeito, e seria.
A revista Sauros seria lançada, com todos os trabalhos prontos a publicação.
Em versão impressa e digital, prometia ser uma revista quinzenal e diferente de tudo que se viu antes.
Com denúncias, opiniões, reportagens independentes, era uma linha editorial completamente diferente do que o povo de Oglopogos estava acostumado a ver.
Piter tinha que se orgulhar, o nome dele e de sua família agora seria eternizado.
E ele estava feliz, muito feliz.

Na festa de inauguração, a presença de muitas autoridades, empresários, possíveis pessoas que assinariam a revista ou fariam um contrato publicitário para anunciar.
Elize, fazia a ponte com todos, sem que eles soubessem de fato quem ela era ou como chegou ali.
Só Piter conhecia seu segredo.
Ele estava agora, casado com Jenifer.
Foi o único jeito encontrado para que pudesse trabalhar em paz, e que seus pais parassem de o perturbar.
Ele não desistiu da ideia de DNA na criança quando nascesse, mas Jenifer achava aquilo absurdo.
Sempre disse que nunca se deitou com homem algum, só com ele.
O filho era dele.
E o anticoncepcional tinha falhado.
Piter ameaçou fazer uma reportagem contra a fabricante, mas ela desconversou e pediu que ele não se envolvesse com isso.
A indústria farmacêutica era perigosa e vingativa, ele tinha um filho pra zelar agora.
Mas por baixo dos panos, Piter não desistiu.
Ele sabia que tinham coisas que não batiam, por isso foi investigar por conta própria.

Naquela mesma tarde de seu lançamento tão importante, teve provas de que a esposa mentiu.
Ela nunca foi a nem uma consulta ginecológica sem ele, nunca tomou o contraceptivo indicado pelo médico, nunca fez a troca da metodologia como eles combinaram.
Jenifer engravidou de caso pensado, e ela teria que se explicar.
Outro dia, não aquele, porque aquele era da revista Sauros.

As 20h, Piter Sauros aparece ao lado de seus jornalistas no palco principal.
Faz um discurso para a plateia e todos o aplaudem muito e de pé.
Um homem parado no fundo do auditório, quase imperceptível, acompanha tudo atentamente sempre com uma caneta na mão, anotando cada detalhe.
Piter o percebe lá, mas não esboça qualquer reação.
Todos estão felizes e aproveitando o coquetel de lançamento, e Jenifer diz ao marido que quer ir embora, não se sentia muito bem.
Piter diz que chamaria um Uber para ela, e ela diz que ele não pode a mandar sozinha para casa.
Ela estava grávida e passando mal, Piter diz que não podia deixar os convidados ali, era a noite de sua revista.
Ela o questiona, se o trabalho era mais importante que sua mulher e seu filho.
Agora ele tinha uma família, tinha que dar valor nisso.
Piter pede pra ela aguentar mais meia hora, e eles iriam embora juntos.

Ele saí para fora para que tomasse um ar, ele percebe que está sendo observado de longe.
Elize se aproxima e o abraça fortemente.
“Eu amei tudo que eu vi hoje, e todos gostaram de você e da revista, esse é o caminho Jornalista.”
“Falou como seu irmão agora, por onde será que anda Yago?”
“Não sei, queria saber. Mas aposto que ele está muito feliz agora, tenho certeza de que quando ler, onde quer que esteja, vai se orgulhar.
Era exatamente o que ele queria Piter, parabéns.”

Elize o dá um beijo no rosto, e Piter a segura suavelmente pelo braço olhando no fundo de seus olhos.
Ele tem um impulso para beija-la, mas se segura, sente como se estivesse sendo observado de novo.
Elize vai para dentro e Piter se vira.
Um homem de cabelo grisalho, barba branca, bigode e óculos o chama a atenção.
Segurava um cigarro entre as mãos e fumava discretamente.

“Minha irmã tinha razão, eu estou muito orgulhoso do que fez aqui Jornalista.”
Fala Yago Castelamare, que estava na festa disfarçado para não ser reconhecido.