Mariana Corsi – Um luto que não passará

Por Revista Kromnws – 08/09/2021

Nesta edição, a Revista Kromnws rende suas homenagens mais que merecidas a Assessora Mariana Corsi.
Morta no dia 3 de setembro por uma falha cardíaca, provocada por uma sequela do Coronavírus.
A jovem de 31 anos de idade, não tinha nem um problema de saúde anterior a doença.
Sua morte apenas reforça o que sempre é dito, que a Covid-19 é uma coisa séria, e mata.
Ao contrário do que pregam alguns negacionistas, como o Presidente da República do Brasil.

O clima ainda é de tristeza hoje, e assim continuará o sendo no G7 Orcon.
Mariana deixa um legado, mas também uma relação de muito carinho e cumplicidade com todos os integrantes.
Todos gostavam dela, e de seu jeito carinhoso e espontâneo de ser.
Sempre querendo resolver os problemas de todos, querendo ajudar,
ela conquistou o seu espaço.
Não por menos, fez a diferença nos projetos sociais do G7, que presidiu.
Os projetos avançaram e cresceram sob a administração de Mariana Corsi.
Quem os assumir agora, terá um legado, e uma missão nada fácil pela frente.
Manter de pé, ampliar e manter, o que ela já fez.

Mariana era uma funcionária que, de enxergar se via um grande potencial.
Ela poderia atuar onde quisesse, que se sairia bem.
Não tinha preguiça de aprender, não se importava em começar por baixo.
Escalava um degrau de cada vez na escada da vida.
Sempre foi assim.
Na sua jovialidade, no colégio, na faculdade.
Ela carregava um trauma.
No primeiro dia de aula na universidade, foi estuprada depois de ser drogada por um universitário.
Dessa noite, nasceu a filha Maria Clara.
A luz de sua vida, como ela sempre gostava de dizer.
Maria, seguiu ao lado da mãe, fez ela amadurecer muito rápido, ela contava.
E ao mesmo tempo fez com que ela desse mais valor a vida.
Dizia sempre que a criança, era um presente de Deus, apesar da forma como foi concebida.
Por isso se dedicou para cuidar dela, até a data de sua morte, em maio de 2020, aos 7 anos.
Maria Clara tinha HPN, e sua situação complicou ao contrair Covid-19.
Foi cuidando da filha, que Mariana se infectou.
Dando início ao que seria o fim de sua vida.