Internacional – O que esperar da ascensão terrorista com a volta do Taleban no Afeganistão

Por Revista Kromnws

25/08/2021

Durante 20 anos, os Estados Unidos lutaram uma guerra travada no auge dos atentados de 11 de setembro.
Uma guerra iniciada por um Presidente mas que outros que vieram depois, não conseguiram encerrar.
Joe Biden entrou no poder prometendo que seria diferente e que encerraria o processo e traria, todos os seus soldados para casa.
60% dos norte-americanos queriam isso e o Presidente parecia bem respaldado.
Mas o erro de cálculos dos Estados Unidos e a ineficácia de sua inteligência, foi essencial para explicar a crise que se montou no Afeganistão.
Quando os Estados Unidos tirou suas primeiras tropas, e anunciou que o governo local iria ficar por conta, os insurgentes do Taleban voltaram a aparecer.
Meteoricamente eles assumiram o controle de cidades, do interior a capital do país, e em 10 dias.
Chegaram a Cabul, cercaram o palácio presidencial.
O Presidente do país, outros membros da alta cúpula das Forças Armadas, apenas fugiram com o rabo entre as pernas.
E o grupo fundamentalista assumiu o país de vez, sem qualquer resistência.
Nem um sangue foi derramado, relataram em comunicado a imprensa árabe.
Não havia sangue que derramar, aqueles que deveriam enfrenta-los, se sucumbiram as ordens do Presidente norte-americano.
Os cidadãos locais eram fracos para encarar um grupo extremo e lotado no combate armado.
Os 75 mil homens do Taleban foram maiores, mais fortes e mais eficientes, do que os 300 mil soldados afegãos.
Assumiram o poder e agora, não há o que se possa fazer com relação a isso.

Não na visão de Joe Biden.
Mas o norte-americano de novo, está errado.
Os Estados Unidos gastaram ao longo dos últimos 20 anos, Trilhões de reais de sua economia, para manter a guerra.
Gastaram milhões para tirar seus soldados de lá, e ainda não foram todos que saíram.
É preciso tirar o resto que não sabe quando ou se, vão voltar para casa.
Enquanto o Taleban, implanta a sua política extremista, o Afeganistão volta a ser berço do terrorismo.
A segurança das cidades começa a ser feita, por grupos radicais ligados ao Taleban, não por policiais.
As pessoas estão amedrontadas e deveriam mesmo.
Na época em que o grupo esteve no poder, liberdade era algo inexistente no Afeganistão.
Agora voltará a ser de novo.

Para entrar no país, só com autorização do governo.
Reportagens, tem que ser previamente agendadas e as mídias tem que relatar, o que vai ser feito, por qual motivo.
Nada que denigra a imagem do regime ou que exponha a realidade das ruas, pode ser mostrado.
Se algum jornalista ou qualquer outra pessoa, mesmo os cidadãos locais ousarem gravar ou publicar algo, a punição é séria e severa.
De amputação de membros a morte, para servir de exemplo.
É a lei da Chiaria, que o regime insiste em implantar no país.
Uma versão deturpada do islamismo.

Para vencer esta guerra, agora declarada, e garantir os direitos e a liberdade do povo afegão, é preciso intervenção externa.
Só países com grande poder, de fogo e de diplomacia, poderiam fazer isso.
Não o farão.
Os Estados Unidos já se refutaram de suas responsabilidades, ao menos Joe Biden não vai.