Imunização – Jansen entregará doses de vacina ao Brasil somente em outubro de 2021

Por Lívia Tomazelli, Do Health Informe

20/03/2021 | 7h

A demora do Brasil em procurar laboratórios para negociar vacinas, tem custado caro ao país.
Agora quando quer correr atrás d prejuízo, não tem conseguido suprir a oferta do mercado com a sua atual demanda.
Países do mundo todo estão adquirindo como podem, diferentes imunizantes, alguns mais de um laboratório diferente, da Covid-19.
No caso do Brasil não é diferente.

O Brasil já comprou vacinas de diversas marcas,
mas a mais importante delas acabará sendo a Janssen.
Exatamente porque, de todas as compradas é a única que, necessita apenas uma dose para que possa imunizar com segurança e eficácia a população.
Todas as outras vacinas precisam ser aplicadas duas vezes para se ter resposta positiva.

O Brasil vai adquirir, ao custo de US$ 10,00, pouco mais de R$ 70,00 por dose da imunizante.
Os pagamentos serão feitos por parcelas das quais a primeira já em abril, para garantir a entrega.
Mas a Janssen, vai entregar somente em outubro, no último trimestre do ano, as vacinas para o país.
O que indica que pouquíssimas pessoas poderão tomar a imunizante que seria, realmente melhor para todos.
Serão compradas 38 milhões de doses, que irão imunizar 38 milhões de pessoas.
Além da Janssen, o Brasil já adquiriu.

10 milhões de doses da Sputnik V da Rússia – Capaz de imunizar 5 milhões de brasileiros.
100 milhões de doses da Coronavac desenvolvida na China mas sintetizada no Brasil pelo Instituto Butantan – Capaz de imunizar 50 milhões de pessoas.
20 milhões de doses da Astrazeneca, que será sintetizada pela Fiocruz no Brasil – Capaz de imunizar 10 milhões de pessoas.
100 milhões de doses da Pfizer – Com capacidade de imunizar 50 milhões de pessoas.
Somadas as 38 milhões da Janssen, o Brasil estará adquirindo um total de 153 milhões de doses de vacinas para imunizar sua população, que é de 213 milhões de pessoas segundo o último senso do IBGE.
Isso quer dizer que algumas pessoas ficariam sem acesso a vacina, o que esperam as autoridades de saúde, ser diminuído com as clínicas comercializando as imunizantes a partir do ano que vem.

É importante salientar que as pessoas precisam estar atentas em qual vacina vão receber.
Uma vez tomando uma dose de uma, a próxima precisa ser igual.
Quem tomar a Coronavac, precisa da 2ª dose da Coronavac, se Astrazeneca,tem que ser

De todas as vacinas que circulam no mercado, as mais seguras no ponto de vista final, são a Coronavac,
do Instituto Butantan que foi trazida pelo Brasil pelo governador de SP, João Doria.
E que deu o pontapé inicial para a vacinação no Brasil.
E a Janssen, que só chega em outubro.

A grande expectativa das pessoas e também das autoridades de saúde, que estados e municípios estão montando consórcios para que eles mesmos passem afrente do Ministério da Saúde, e adquiram doses das imunizantes.
Se isso acontecer, a vacinação poderia ocorrer de maneira mais célere no país.
Outra ajuda seria da iniciativa privada.