Editorial – Não confundam direito de expressar com atacar

Do Informe Franca

19/03/2021 | 3h25

Todas as vezes que se vai dizer algo hoje, é bom tomar cuidado.
Cada coisa que se fala antes deve ser pensada porque num mundo tão invertido tudo é passível a se transformar em processo judicial.
E o problema não são nos gastos com advogados ou as vezes com indenizações.
O problema é o desgaste que isso gera.

O Brasil vive uma polarização macro, e que aumenta a cada dia, em tudo.
Política, ideologia, tudo é motivo para se falar.
E tudo é motivo para se processar.
Mas é preciso saber diferenciar, o que é liberdade de expressão, do que é um ataque direto.
Sabendo essas diferenças com total certeza, ajuda a compreender um pouco melhor a intolerância e como as autoridades devem agir contra elas.
As formas como tem tudo sido feito no Brasil não seriam e nunca serão, o caminho ideal.
Hoje qualquer coisa que se fale, ou é classificado como ataque,
ou vira liberdade de expressão.
Mas a sua liberdade de se expressar, termina no momento em que se iniciam ofensas e ataques contra o outro,
e é bom que se fique claro.

Quando alguém diz, escreve, publica,
que o Presidente da república é um genocida,
por causa das mortes provocadas pela Covid-19, é liberdade de expressão.
Não pode ser considerado como ataque porque o que está sendo dito, é uma máxima de verdade.
Os dados da pandemia falam por si só,
e as N declarações do Presidente contrárias a medidas de isolamento, a máscara e etc, falam por si.
Não dá pra uma pessoa pública falar, publicar, escrever algo hoje,
e amanhã dizer que não disse.
A internet tem tudo documentado, os jornais e revistas do mundo, documentam.
Provas existem aos montes.

Quando falamos que o ex-Presidente Lula, cometeu crimes, e é corrupto,
não estamos fazendo nem um ataque a sua honra.
Estamos publicando um fato, é liberdade de expressão.
Ele foi investigado, denunciado, e em não provando inocência foi condenado.
No STF, foram anuladas as suas condenações, mas não os atos processuais.
O que significa que ele vai ser processado de novo, julgado de novo.
Pode ser que seja, e será, condenado de novo.
O que deve contribuir para provar, por A mais B, suas culpabilidades.

Quando dizemos que o Presidente Jair Bolsonaro tem que sofrer Impeachment,
assim como dissemos de Dilma Rousseff,
estamos exercendo nossa liberdade de expressão.

Quando alguém, fala uma inverdade sobre você,
ameaça a sua família,
faz postagens que ridicularizam você ou o que fala,
falam mal de seu trabalho ou de sua família,
falam que o STF tem que ser fechado e um AI-5 deve ser reeditado.
Isso são ataques.
Ataques pessoais, ataques a democracia, ataques a N e diferentes formas.
Que não podem ser tolerados e devem ser punidos.
Não com mais agressão mas sim com a força da lei.
É a Justiça que deve solucionar o conflito.

Se alguém dizer que Bolsonaro tem que apanhar, tem que morrer, sofrer um atentado,
ou o mesmo for dito de Lula,
em qualquer uma dessas ocasiões são ataques.
Isso passa longe do direito de liberdade de expressão.

Logo, quando Bolsonaro, seus filhos, familiares,
auxiliares, servidores, aliados,
falam contra uma pessoa, ou pagam Hackers para executarem atentados contra elas,
também é ataque, não é liberdade de expressão.

Vamos nos policiar pelo que fazemos ou dissemos,
antes que as coisas percam ainda mais o controle do que já perderam.
É preciso saber separar e mais do que isso, diferenciar.
Ataques, nem para um lado ou outro, podem ou devem, ocorrer.
Tudo deve se resolver na civilidade.
Esse é o código.