Exclusivo – Com Covid-19, deficiente visual espera leito de UTI em Porto Alegre há 5 dias

Por Mariana Novacki, Do Health Informe

18/03/2021 | 12h38

A cada dia que se passa, piora a situação do Brasil no que se refere a internações de pessoas com Coronavírus.
Não estão livres de contrair a doença, pessoas das mais diferentes classes sociais, cores, religiões.
Todos são suscetíveis ao vírus que muitos ainda insistem em negar.

A deficiente visual Anna Victoria, de 30 anos de idade, é um exemplo disso.
Ela foi infectada com o Coronavírus e está internada em Porto Alegre desde o final de semana.
Há pelo menos 5 dias, Victoria está entubada e respira com aparelho.
Precisa de uma vaga de UTI e não consegue.

No hospital público em que está, não existe leito.
Noutros da capital gaúcha, também não há vagas.
Ela espera em uma longa fila para que seja transferida para um outro hospital,
se uma vaga surgir.
Com o sistema sobrecarregado, a regulação de vagas do RS não tem dado conta da demanda.
Porto Alegre tem centenas de pessoas que esperam, algumas mais de uma semana, por leitos.
E muitas pessoas já morreram na capital gaúcha, a essa espera.

A Secretaria de Saúde estadual, disse que todos os pacientes estão sendo assistidos.
Mas que não existem vagas para todos.
Quando não se encontra um leito, o paciente é tratado na emergência do hospital em que está, em leitos semi-intensivos.

O problema nessas afirmações são que,
se o paciente tem a indicação de UTI, é porque ele precisa de um leito desses.
Se o semi-intensivo resolvesse, não haveria a indicação.
Nesse sentido, Victoria e tantas outras pessoas, aguardam numa espera angustiante e agonizante, um desfecho.
As famílias sofrem, os pacientes sofrem.
E o sistema colapsa a cada dia mais.