Negacionista, Bolsonaro diz que governador que impor restrições em seu estado deve bancar Auxilio Emergencial

Por Carolina Winter, Do Informe Franca

Brasília – 27/02/2021 | 7h

O Presidente Jair Bolsonaro, disse nesta sexta-feira, 26, em uma visita feita no Ceará, que o povo não aguenta mais ficar em casa por causa da pandemia de Covid-19.
O Presidente afirmou que as pessoas querem trabalhar, mas muitos governadores não deixam.
Ele voltou a criticar as medidas de restrições, que foram impostas em pelo menos 8 estados brasileiros.
Essas medidas ocorreram, por medo de um colapso no sistema de saúde provocado com a alta de casos da doença.

Bolsonaro disse que os governadores estão indo na contramão do que o seu povo quer,
e que para ele quem fechar seu estado ou impor restrições, deveria bancar a sua população o próprio Auxilio Emergencial.
O Presidente disse que todos querem jogar a responsabilidade para o colo do Presidente, mas defendeu que não tem essa responsabilidade sozinho.

É a segunda vez, que Bolsonaro fala em que os governadores deveriam bancar o programa social.
Mas especialistas divergem do Presidente.
Para eles, os estados não podem assumir um compromisso de criar novas despesas porque não dispõe de recursos ou meios constitucionais de fazer isso.
Não haveria como os governadores compensarem os cofres públicos e o sistema financeiro de seus estados entrariam em colapso.
O Auxilio Emergencial é dever do governo federal, porque cabe a este governo os programas sociais que abrangem a nação.

Ainda sobre o Auxilio, Bolsonaro disse que o governo está em fase final da conclusão do projeto que deve viabilizar novos pagamentos.
Deverão ser, mais 4 parcelas de R$ 250,00, iniciadas a partir de março.
É esperado que na próxima terça-feira, 2, o Senado vote o projeto que libera a criação desse novo projeto de Auxilio.
A proposta deveria ter sido votada na quinta, 25, mas senadores não conseguiram chegar num consenso por conta de trechos do texto.